O Cristão e o ocultismo

INTRODUÇÃO

Ezequias Soares diz que o ocultismo é a crença nas forças ocultas e práticas adivinhatórias da magia, astrologia, alquimia, clarividência, tarô, búzios, quiromancia, numerologia, reencarnação, ufologia, meditação transcendental, hipnose e outras ciências ocultas. Todas essas coisas são a marca registrada da Nova Era. A palavra vem do latim occultus, que significa “secreto, misterioso”. Foi Eliphas Levi, na França, em 1856 que usou pela primeira vez a palavra “ocultismo” e seus derivados com o sentido de esoterismo.

O QUE É OLCULTIMOS?

Ocultismo (ou Ciências Ocultas) é um conjunto de teorias e práticas cujo objetivo seria desvendar os segredos da natureza, do Universo e da própria Humanidade. O ocultismo trata de um tipo de conhecimento que está além da esfera do conhecimento empírico, o que é sobrenatural e secreto. Não é aceito pela comunidade científica por não compartilhar de suas metodologias. O ocultismo está relacionado aos fenômenos sobrenaturais. Ou seja, são conjecturas metafísicas, e teológicas, algumas das quais oriundas de povos da Antiguidade Clássica.

Existe atualmente muita confusão com relação aos demônios e aos poderes ocultos das trevas. Isso se deve principalmente à falta de estudo bíblico sério! A palavra de Deus é o único livro-texto autorizado para obtermos uma compreensão sobre a natureza desses poderes. Todas as outras fontes têm sua origem no poço do abismo e precisam ser tratadas com o máximo de cuidado.

Advertência: Somente os cristãos maduros na fé devem tentar obter e estudar materiais ocultistas — e isso após muita oração e preparação espiritual “vestindo toda a armadura de Deus”. A realidade da influência satânica e demoníaca que está sendo exercida hoje é muito grande — uma realidade que normalmente é negligenciada ou ignorada por muitos pastores!

 

Cinco razões porque não sou ocultista

  1. Os ocultistas afirmam que Jesus estava defendendo o ocultismo por ter dito: ” … avós é dado conhecer os mistérios do Reino dos céus” (Mt 13.11); trata-se de uma perversão da realidade. A palavra grega mysterion, no Novo testamento, tem sentido de verdade revelada” sem conotação alguma com as práticas esotéricas. Eu fico com a Bíblia! (Jo 5.39-40);

  2. A estrutura judaico-cristão condena toda a forma de ocultismo (Dt 18.9-14; 2Rs 23.5);

  3. A Bíblia deixa claro que as obras praticadas no oculto são reprovadas por Deus (Jo 3.19-20);

  4. De acordo com a Bíblia o que é praticado no oculto está relacionado às trevas e as trevas ao inimigo. Analise: como o ocultista pode ter a Deus se Deus é Luz e Nele não há trevas nenhuma (1 JoJ.5;)0 3.19-21). Além do mais, não é o diabo que vive em oculto? (2Co 11.14);

  5. Jesus é a Luz que alumia todo homem. Assim sendo, como pode alguém ter a Jesus e praticar o ocultismo? (Jo 8.12).

Porque Deus há de trazer a juizo toda obra e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau (Ec 12.14).

Saiba o que Deus pensa

Certos teólogos de hoje não crêem na existência de Satanás. É estranho que filhos não creiam na existência do próprio pai (C. H. Spurgeon).

 

  1. Ocultismo – 2 Cr 22.4-6; 28.2-3; 33.2-6; Ez 8.7-18; Ef 5.12;

  2. Imagens grotescas .• Ez 8.9-10; SI 101.2-7; Mt 6.22-23; Fp 4.8;

  3. .Inferno – SI 86.13; Mt 8.12; 25.41; 2 Pe 2.4-9; Jd 1.7; Ap. 21.8;

  4. Mal-Jó 4.8; SI 19.13; 26.5; Rrn 1.24-28; G15.16-17; Ef4.22; 6.12;

  5. Objetos ligados ao ocultismo – At 19.19 ; Ez 13.18-23; Dt 7.26-27;

  6. Ocultismo – Dt 4.8; Ez 13.18-23; 21.21-24; Is 65.3-4; At 13.8-10; 19.19;

  7. Perversidade – J6 24.2-24; Pv 6.12-15; 10.14; 11.18-21; 1432; 28.4-5;

  8. Poder- Ee 9.11; Pv 21.31; Zc 4.6; Mt 5.1-12; I Jo 2.6; Rrn 12.19;

  9. Seitas;~ Jr 23.16-22; SI 3.4; Mt 7.15; 24.11, 23-26; 2 Pe 2.1-22; 1 Jo 4.1-3.

  10. Violêcia – SI 37.17; 75.10; 140.11; Pv 1; 3.31; 16.29; 21.7; Is 13.11;

  11. Voyel,lrismo – J6 31.1; SI 101.2-7; Mt 6.22-23; Fp 4.8.

  12. Doutrina de demônios – Ef 4.14; lTm 4.1; 6.3; Hb 13.9; 1102.18; 2.18;

  13. Aparência do mal – Mt 26.41;IPe 5.8; Ef 4.27; lTs 5.22; Tg 4.7; Zc 3.2 14.

  14. Músicas mundanas – Pv 21.17; Is 22.13; lTm 5.6; 2Pe 2.12-14; Ee13.4; lsm 30.16;

  15. Maldades – Gn 50.20; Jó 5.19; Is 5.2; 47.10-11; Mt 5.11; Mc 15.14;

  16. Contaminação – Ec15.13; 8.6; Rrn 7.19; lPe 3.9-17; Tg 4.4;

  17. Inimigo – SI 34.14; 1103.8; lCr 16.22; SI 25.2; 18.48; 38.19; 110.1;

  18. Discernimento do mal-At 8.20-23; 5.3; At 16:16; Ec18.5; lCo 12.10 Le 13.11-13; 1Ts 2.18; 5.21-22; Ef5.16; Ez 44.23; lRs 3.9;

  19. A natureza enganadora do mal (inimigo) – M11.l4; 2Jo 7; lTm 4.1; Rrn 7.11; lCo 6.9; SI 10.7; At13.10;Ap 20.7-8; Mt 13.25,28,39; Rrn 12.9; Js 23.13; SI 91.3; lTm 3.7; 2Tm 2.26;

  20. A operação do erro – Ef 4.14; Mt 24.5-11; 24.24; Le 21.8; lCo 15.33; . 2Ts 2.11; Mc 13.6; Am 2.4; Is 44.20; Dt 32.27; At 8.9, 11. 11.

Ocultismo em brinquedos

David Jeremiah e C. C. Carlson defendem que as diversas perso­nagens, que estão por trás dos brinquedos e que chegam para as crianças com referências ao ocultismo feitas na forma de encanta­mentos, mágicas, panteísmo, politeísmo, reencarnação, poderes psíquicos e forças sobrenaturais, são alheias, ofensivas e muito prejudiciais à infância. Nicolas Montigneaux diz que “os mais jovens são particularmente Vulneráveis diante da manipulação exercida pelas mídias, incapazes que seriam de distinguir a ficção da realidade ou de entender a intenção persuasiva inclusa na men­sagem. ”As crianças podem estar correndo o risco de serem apri­sionadas com laços demoníacos(Dt 18.9-12).

Tire sua conclusão.

Ocultismo nos Pokémons

Nicolas Montigneaux comenta que numerosos pais e educadores colocam em questão o interesse e a moralidade que representam esses personagens para as crianças. Os críticos, segundo ele, denunciam a presença excessiva de combates que parecem fazer a apologia à violência,encorajam o desejo de poder, transformam a criança em um pequeno capitalista e mergulham os de menos idade numa pesquisa obsessiva. Totalmente imersos num mundo irreal, as crianças teriam dificuldades em separar o imaginário da realidade. São 150 nomes .de monstrengos.’ Envolvem conceitos ligados ao ocultismo como: troca de almas, reencarnação, evolução astral, te.leCinese, magia, mediunidade, etc. Analise alguns:

 

Nome: Pikachu

 

Ataques: choque do trovão, rosnado, onda trovão, ataque rápido, etc.

Descrição: um pokémon elétrico, que usa o choque do trovão como seu ataque mais poderoso. Com a pedra do trovão, pode evoluir para Raichu.

Nome: Ivysaur

 

Tipo: planta/venenoso

Descrição: é a evolução do Bulbasaur, possui as mesmas características anteriores, exceto o bulbo, que é aberto, e de dentro dele surge uma flor. Ivysaur atinge este estágio de evolução quando participa de um ritual de canção com outros vários bulbasauros, comandado por Venusaur.

Ataques: sementes sanguessuga, p6 venenoso, folha gilete, etc.

 

Nome: Kabutops

 
Tipo: pedra/água

 

 

Descrição: a forma evoluída do Kabuto. Suas navalhas são muito poderosas e causam grandes danos aos seus inimigos.

Nome: Wartortle

 

Tipo: aquático

Descrição: é a forma evoluída de Squirtle, tem uma melhor movimentação na água por causa de suas orelhas, que se adaptam melhor para a natação. Após atingir este estágio, Wartortle evolui para Blastoise.

Os Pokémons envolvem as crianças sob múltiplas formas: filmes, cartas, websites, míni-séries de televisão, bonecos, etc. Fique alerta!

RESUMO

Pokémon (pocket monsters, ou “monstros de bolso”) está atualmente fazendo muito sucesso entre as crianças de todo o mundo. O que esses “monstros de bolso” ensinam às crianças e quais são as filosofias subjacentes nesse jogo/desenho animado “inocente”? É algo com o que as crianças cristãs devem se envolver?

Nota aos pais: Meu objetivo não é convencê-lo que Pokémon seja a atividade mais perigosa com a qual seus filhos podem se envolver. Existem muitas outras atividades que são ainda mais nocivas tanto física quanto espiritualmente. No entanto, a tremenda atração do jogo e a dependência que causa faz com que tenha uma influência significativa nas crianças.

Nota aos não-cristãos: Esta página não se aplica a você, pois não vive sob o senhorio de Jesus Cristo e o Espírito Santo de Deus não está ativo na sua vida. Não assuma que é um cristão somente porque vai à igreja ou porque seus pais são cristãos. Você pessoalmente precisa tomar a decisão de seguir a Jesus Cristo e ser um cristão.

Pokémon é um jogo de representação de um papel (RPG) similar a Dungeons and Dragons, MAGIC e outros, mas com inclinações ocultistas mais sutis. Foi criado pela Nintendo, no Japão, em 1995, e é grandemente influenciado pelo misticismo japonês. A maior parte dos personagens parece incorporar características do xintoísmo (a religião tradicional do Japão), budismo, hinduísmo, outras religiões orientais e filosofias da Nova Era. O jogo reflete o passado guerreiro do Japão em sua violência, pois o objetivo é conquistar outros Pokémons por meio da força física e da feitiçaria.

Além das inclinações pelas religiões orientais, os conceitos de Nova Era são abundantes nas cartas de Pokémon. [2] Cada Pokémon é de certo “tipo” e isso descreve sua “energia”. Existem diversos tipos, como Planta, Aquático, Pedra, Fogo, Gelo, Elétrico, Lutador, Venenoso, Voador, Fantasma, Psíquico, Inseto, Normal, Virtual, Humanóide e outros. Muitos dos 150 Pokémons que existem atualmente [o número deverá aumentar para mais de 300 em breve] usam violência para conquistar outros Pokémons. Essa violência inclui mordidas, cortes, chutes, chamas de fogo, abalos sísmicos, choques elétricos, venenos, poderes psíquicos, paralisia, etc. Este não é o jogo/desenho “inocente” que a propaganda diz que é. Alguns Pokémons evoluem por meio do uso de “pedras” (trovão, água, lua, fogo e folha), que são itens utilizados para invocar os poderes (a origem desses poderes não é mencionada, mas certamente não é de Deus). As cartas de treinamento também incluem aquelas que usam “porção” e “super porção” para curar magicamente os lutadores Pokémons feridos.

Muitos Pokémons evoluem naturalmente e transformam-se em outros Pokémons (observe o símbolo “Estágio Evolutivo” na carta mostrada anteriormente. Examinando-se as cartas, é evidente que a macroevolução está sendo ensinada, pois as espécies que evoluem de outras espécies são similares na aparência. Em alguns casos, o termo “evolução” é usado incorretamente, pois determinados Pokémons podem se transformar em criaturas muito mais poderosas. Basicamente, o desenho animado/jogo está ensinando uma forma de reencarnação.

“Para ser um grande mestre Pokémon

Tem que ter coragem e ser muito bom

E a equipe Rocket desafiar.

Se a jornada é longa a gente agüenta

Pois eu sei que tem mais de cento e cinqüenta

E a grande batalha vamos conquistar.

Vem, vem, vem aqui comigo

Vem, vem, vem correr perigo

Vem, vem, vem que a hora vai chegar.

Pokemom, Pokémon, quanta emoção,

Pokémon, todo Pokémon tem magia e poder.

Pokemom, Pokémon, temos que pegar.

Quando encontrar, um grande mestre eu vou ser.”

A letra acima é a da canção cantada pela apresentadora Eliana no seu programa infantil na televisão. As crianças estão sendo encorajadas a buscar o poder do desenho e das cartas Pokémon. O site oficial de cartas Pokémon dá mais instruções:

“Carregue seu Pokémon com você e estará preparado para enfrentar qualquer coisa! O poder está nas suas mãos. Portanto, use-o.”

Muitas crianças estão seguindo à risca essas instruções e carregam suas cartas de Pokémon nos bolsos o tempo todo. Estamos vendo essas cartas aparecerem na igreja e nas classes da escola dominical. As crianças estão sendo encorajadas a recorrer ao poder sobrenatural em vez de ao poder de Deus. [6] Elas aprendem que quanto mais cartas colecionarem, mais poder terão. Muitas crianças estão completamente obsecadas pelas cartas e gastam grande parte de seu tempo brincando com elas. Pokémon tornou-se um ídolo em suas vidas, sendo mais importantes para elas do que Deus.

O uso de cartas do Pokémon pode potencialmente abrir portas para a opressão demoníaca por meio das seguintes atividades:

1. Posse (conhecida ou não) de discos, fitas, livros, gravuras, amuletos, instrumentos, jogos, etc.

2. Buscar poder ou revelação ocultista.

3. Fascinação com o poder ou revelação ocultista, ou fenômenos psíquicos em geral.

4. Escapismo por meio da busca de emoções, ficção científica, novelas, e algumas outras atividades que causam dependência.

5. Fascinação com a violência, especialmente a violência sem justiça.

6. Meditação em qualquer outra coisa que não a verdade revelada por Deus.

7. Cântico de mantras ou outras formas cultistas/ocultistas de adoração.

O ensino bíblico é claro a respeito do envolvimento em atividades ocultistas. Na Bíblia, Deus proíbe nosso envolvimento com feitiçaria, adivinhação ou consultas com médiuns espíritas. A pena de morte para o envolvimento na feitiçaria mostra a seriedade desse pecado diante de Deus.

Pokémon está ganhando um popularidade cada vez maior e seus criadores introduzirão novas formas de alcançar o grau de “Mestre”. Neste ponto, para manter o interesse no jogo/desenho animado, será necessário lançar novos personagens e modos alternativos de “receber o poder”. Minha previsão é que o jogo introduzirá mais doutrinas da Nova Era, juntamente com personagens mais violentos ou bizarros. As crianças que estão envolvidas em Pokémon continuarão a serem doutrinadas mais profundamente nas filosofias da Nova Era. Na verdade, muitos recursos sobre Pokémon podem ser encontrados em sites de Nova Era.

Outra ameaça às crianças que brincam e que assistem o desenho Pokémon e outros jogos RPG é a tendência de envolverem-se em formas mais sérias desses jogos, como Doom [11], Dungeon and Dragons, Magic: The Gathering, que contêm temática ocultista muito pior. Na verdade, alguns sites sobre Pokémon têm links para esses sites. Por exemplo, o endereço do site “Role Player´s Realm”, que liga Pokémon com outros jogos RPG é “http://www.screaming.demon.nl/”. A associação com o ocultismo é evidente até no nome.

Conclusões

Pokémon ensina os seguintes conceitos/filosofias que são opostos ao cristianismo:

1. Violência como forma de obter poder.

2. Evolução.

3. Conceitos de Nova Era (reencarnação e poderes psíquicos).

4. Uso de objetos ocultistas (pedras mágicas) para obter poderes contra os adversários.

A participação prolongada em Pokémon pode levar a:

1. Envolvimento que leva à dependência psicológica de tal forma que o jogo torna-se um ídolo na vida da criança.

2. Envolvimento em jogos RPG malévolos (e com as pessoas que estão associadas com eles).

3. Abertura de portas para a opressão demoníaca.

Recomendações

Se seu filho já aceitou a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, recomendo que você lhe mostre os fatos sobre Pokémon e o que a Bíblia diz sobre o envolvimento com a feitiçaria. Se uma criança for encorajada a orar sobre seu envolvimento com Pokémon e a seguir a orientação do Espírito Santo, voluntariamente deixará de participar em atividades relacionadas com esse jogo/desenho animado. As crianças devem tomar uma decisão, sem serem forçadas a isso por seus pais. Se seu filho ainda não aceitou a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, eu tomaria a decisão unilateralmente e explicaria porque ele não poderá mais assistir ou brincar com o jogo. Se seu filho já estiver muito envolvido ou viciado em Pokémon, será necessário oferecer suporte adicional, encorajá-lo e fornecer outras oportunidades de entretenimento.

 

Pr Jonas Neto

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.">Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.